29 de jan de 2017

La La Land: A "Terra do LA LA" não é um musical


Para você que se sente entendiando só de lhe falarem que o filme é um musical, pode ficar calmo que a temática trazida pela "Terra do LaLa" não remete a nada em um musical chato dos anos 70, apesar das suas inúmeras referências.



Na verdade não remete a um musical. Quando alguém me fala de musical lembro logo do filme os Miseráveis (Les Misérables) de 2012, que se propôs a ser um musical, e realmente trouxe em sua síntese esse mundo chato dos musicais, que cantam até mesmo quando o protagonista vai abrir uma porta. "A emoção no nada".

Mas para LaLaLand a realidade é outra. Me arrisco a dizer que não que é um musical, mas um filme que se baseia na música. Claro que em alguns momentos retrata a ralidade dos musicais, que cantam uma cena específica. Mas o filme não fica preso apenas as músicas, deixando espaço para a atuação dos atores.

O filme traz várias características dos musicais do passado, como as múltiplas cores ligadas ao figurino e até mesmo em suas locações, parte em paisagens reais ou em estúdios de gravações.

Para facilitar nessa temática a protagonista trabalha em um "Café" dentro de um estúdio de gravação, em busca de um papel em qualquer que seja o filme ou série, enquanto o protagonista busca o reconhecimento em seu Jazz, na Califórnia. Ambos ambientes que poderiam dar muito mais espaço para as músicas, mas que não subiram a cabeça do diretor, que além das músicas deixou muito espaço para os diálogos.



O enredo é padrão e traz uma formula de muito sucesso no cinema. Duas pessoas, que mesmo sem o apoio da família, tentam infinitamente realizar os seus sonhos. Ela de ser uma grande atriz e ele de montar o próprio negócio em torno do Jazz.



E é assim, nesse enredo, que as vidas se entrelaçam e começa o romance, que é divertido em alguns momentos, clichê em outros e realista em terceiros. Tudo  com um final que tenta deixar claro que uma escolha em uma noite de inverno pode mudar todo o desfecho da história. 

Me  atrevo a dizer que mensagem final é. "Nem sempre o sonho de dois apaixonados podem coexiste juntos. Se não for isso, quando o sair o DVD, o diretor tem de lançar um final alternativo.

Pelo sim ou pelo não, os moldes do filme acabaram lhe dando muitos prêmios e agora está entre os mais indicados para o OSCAR. Como gosto muito de biografia e filmes históricos, me arrisco a dizer que o mesmo não traz enredo suficiente para ganhar o prêmio de melhor filme, mas sim de outros prêmios menores, mas não menos importantes.

Mas depois que deram o prêmio de melhor ator para o Leonardo DiCaprio, no filme "O Regresso" tudo é possível.

Obs: Não julguem o filme pela primeira cena.

Por: Anderson Calandrini




Nenhum comentário:

Postar um comentário